memeLab

BLOG

8° Encontro AVLAB: Código aberto, produção Livre

10 de dezembro de 2010Comentários desativados em 8° Encontro AVLAB: Código aberto, produção Livre

Terça feira, 14 de dezembro, às 19h30. Entrada franca. Transmissão ao vivo aqui no site da memeLab.

Curadoria e apresentação de Jean Habib*

Os convidados do 8° Encontro AVLAB vêm para compartilhar seus métodos de criação que inclui a o desenvolvimento e a utilização de mediatecas virtuais e interfaces de software livre. (mais…)

memeLab na Take a Ride

10 de dezembro de 2010Comente!

e antes do ano acabar, a sétima edição da Take a Ride, dia 18 de Dezembro!
o verão chegou…

Na edição de natal, o Centro Cultural Rio Verde recebe no palco Buguinha Dub, que chega com sua Vitrola Adubada e convida o músico Gil Duarte, do Sistema Asimov de Som, e os vocais Neguedmundo e Massarock! (mais…)

Debate com especialista sobre crack

7 de dezembro de 2010Comente!

O antropólogo Philippe Bourgois viveu em meio a viciados da América Central e Estados Unidos por mais de 20 anos. Especialista em crack vem ao Brasil conhecer realidade de dependentes da droga no país. Os debates serão transmitidos ao vivo dias 8 e 9/12 pelo site http://jornaldedebates.uol.com.br (mais…)

DH em debate – assista aqui

3 de dezembro de 2010Comente!

O debate Memória e Verdade – Reflexos da violação desses direitos nos dias de hoje marca o lançamento do Edital 2011 do Fundo Brasil de Direitos Humanos. O evento acontece segunda (6/12) e será transmitido ao vivo com apoio da memeLab, a partir  das 19 h, direto do auditório da Ação Educativa, em São Paulo. (mais…)

Leigos

1 de dezembro de 2010Comente!

Nosso projeto para as Microbolsas Hackers

A memeLab tem uma ideia para concorrer a uma das Microbolsas Hacker. Trata-se do Leigos – um site que visa tornar a linguagem jurídica mais acessível ao cidadão, por meio da “tradução” colaborativa de documentos da legislação brasileira (mais…)

Debates Uninove discute direitos autorais na internet

1 de dezembro de 2010Comente!

Evento será realizado em 01/12, às 20h, no Campus Uninove Vergueiro

A internet revolucionou a comunicação, relacionamentos, negócios e a forma de compartilhar conhecimento, informação e cultura. Dentre as muitas polêmicas trazidas com estas mudanças está a do direito autoral, em uma época em que qualquer conteúdo pode ser publicado, baixado, enviado, remixado e redistribuído na rede. Se de um lado há quem diga que a web prejudica os autores de filmes, livros e músicas, de outro se diz que as novas possibilidades empoderam os produtores de conteúdo cultural, que passam a depender cada vez menos de intermediários para conquistar seu público.

Em 15 anos de web no Brasil, já assistimos à grandes batalhas jurídicas, como as do Napster e do Piratebay, ao mesmo tempo em que vimos novos talentos brotarem da web e bandas consagradas publicarem, por vontade própria, álbuns inteiros na internet – de graça.

Em meio a este cenário, a nona edição do Debates Uninove pergunta: a internet aumenta a pirataria?

Debatedores:

Sérgio Amadeu, sociólogo e ativista da comunidade Software Livre
Ednei Procópio, editor associado e membro da Comissão do Livro Digital da Câmara Brasileira do Livro
Roberto Mello – Presidente da Associação Brasileira de Música e Artes (Abramus)
Dalton Spencer Morato Filho – Advogado da Associação Brasileira de Direitos Reprográficos
Gustavo Anitelli – Empresário da banda O Teatro Mágico
Marcel Leonardi – Professor de Direito e Internet na FGV-SP

Serviço:
Quando: 01/12/2010 (quarta-feira), às 20h
Onde: Auditório do Campus Uninove Vergueiro (Rua Vergueiro, 235)
Transmissão ao vivo em www.jornaldedebates.uol.com.br

Debates Uninove

A iniciativa é fruto da parceria da Universidade Nove de Julho, que conta com mais de 100 mil alunos em seu corpo discente, e do jornal online e colaborativo JD, dirigido pelo jornalista Paulo Markun. A série de debates leva os principais assuntos da atualidade para discussão entre personalidades consagradas e os futuros profissionais do mercado .

Desde agosto, foram oito encontros realizados, com participação de ministros, secretários de Estado, cientistas, juristas, jornalistas, empresários, investidores e políticos. O projeto Debates Uninove marca o retorno do jornalista Paulo Markun à organização e mediação de debates, função que exerceu por dez anos, primeiro como apresentador e depois acumulando o cargo de diretor do programa Roda Viva, da TV Cultura

Em dezembro, a série Debates Uninove receberá ainda o especialista em crack norte-americano Philippe Bourgois para discutir o assunto, que se tornou um dos mais relevantes da pauta nacional, com especialistas brasileiros.

Debates realizados

Para que serve a Comissão da Verdade?
17 de novembro

Participantes: Luiz Eduardo Rocha Paiva, General da Reserva; Martim Sampaio, conselheiro e presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP; Roberto Delmanto Jr., advogado criminalista; Ivo Herzog, presidente do Instituto Vladimir Herzog; e José Gregori, presidente da Comissão de Direitos Humanos do município de São Paulo e ex-ministro da Justiça.

Como pesquisar para a Inovação?
25 de outubro

Participantes: Silvio Meira, professor titular da Universidade Federal de Pernambuco e cientista-chefe do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (C.E.S.A.R.); Sérgio Queiroz, professor da Unicamp e coordenador da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Antônio Britto, jornalista, ex-governador do Rio Grande do Sul e presidente-executivo da Interfarma – Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa; e Milton Abreu Campanário, coordenador do Mestrado e Doutorado em Administração da UNINOVE.

A Justiça precisa ser lenta?
20 de outubro

Participantes: David Eduardo Depiné – Conselho Nacional de Justiça; Maria Tereza Sadek-  Centro Brasileiro de Estudos e Pesquisas Jurídicas;José Renato Nalini e Ademir de Carvalho Benedito – desembargadores do   Tribunal de Justiça de São Paulo; Antônio Carlos Alves Braga Jr. – Conselho Nacional de Justiça; e Jarbas Machioni – Ordem dos Advogados do Brasil.

Que Brasil surge das urnas?
07 de outubro

Participantes:  Fernando Barros Silva – Folha de S. Paulo; Renato Rovai – Revista Fórum; e Alberto Carlos Almeida – autor de A Cabeça do Eleitor e A Cabeça do Brasileiro.

A ciência deve usar células-tronco?
29 de setembro

Participantes: Mayana Zatz, coordenadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Células-Tronco em Doenças Genéticas Humanas; Claudio Cohen, presidente da Comissão de Bioética do Hospital das Clínicas de São Paulo; Padre Vando Valentin, do Centro de Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; e Lenise Garcia, professora de Bioética da Universidade de Brasília.

O Senado e a Educação – Quais as propostas dos candidatos?
15 de setembro

Participantes: Aloysio Nunes (PSDB), posteriormente eleito com a maioria dos votos no estado, Ricardo Young (PV), Alexandre Serpa (PSB), Ciro Moura (PTC), Dr. Redó (PP), Ana Luiza (PSTU) e Ernesto Pichler (PCB).

O Brasil está pronto para sediar a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos?
30 de agosto

Participante:  ministro dos Esportes, Orlando Silva

Haverá trabalho no futuro?
25 de agosto

Participantes: Pedro Rubez Jehá, secretário do Estado do Emprego e Relações do Trabalho/SP; André Urani pesquisador do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade; Antônio Carlos de Matos administrador de empresas; Waldir Quadros, pesquisador da Unicamp; e Alfio Lagnado, empresário e surfista.

Para que serve a Comissão da Verdade?

17 de novembro de 2010Comente!

Nesta quarta (17/11), às 10h, o projeto Debates Uninove discute qual a função da Comissão da Verdade, cujo projeto de lei está parado na Câmara dos Deputados. O evento trará representantes de posições diversas em relação ao órgão e será mediado pelo jornalista Paulo Markun. A transmissão ao vivo das discussões será mais uma vez realizada pela memeLab, através do site do Jornal de Debates.

No dia 15 de março de 1985, com a posse de José Sarney, a ditadura militar chegou ao fim. Passados mais de 25 anos, muitos dos fatos ocorridos no período encontram-se desconhecidos do público, protegidos pelo sigilo e pela anistia ampla, geral e irrestrita. Para alguns, deve-se buscar conhecer a história completa da ditadura, inclusive em seus detalhes mais cruentos. Para outros, o esquecimento serve à pacificação que pavimentou o caminho para a democracia brasileira, e não valeria à pena mexer em antigas feridas já cicatrizadas.

Participarão do debate:

– Ivo Herzog – Presidente do Instituto Vladimir Herzog;
– José Gregori – Jurista e ex-ministro da Justiça do governo FHC;
– Martim Sampaio – Presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB;
– Dr. Roberto Delmanto Jr.; Advogado criminalista;
– General Luiz Eduardo Rocha Paiva; professor emérito e ex-comandante da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Mediação:  Paulo Markun

SERVIÇO

Evento: Debates Uninove
Data: 17 de novembro de 2010 – quarta-feira
Horário: 10h
Local: Campus Vergueiro – Rua Vergueiro 235/249

Transmissão ao vivo: http://jornaldedebates.uol.com.br/aovivo/para-que-serve-comissao-verdade

DEBATES UNINOVE

Com o debate sobre a Comissão da Verdade, o JD realiza seu oitavo evento em parceria com a UNINOVE. Até o final do ano, serão dez debates sobre temas de grande repercussão nacional.

No dia 25 de outubro, foi realizado um debate sobre pesquisa e inovação, contando com a participação de Silvio Meira, professor titular da Universidade Federal de Pernambuco e cientista-chefe do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (C.E.S.A.R.); Sérgio Queiroz, professor da Unicamp e coordenador da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Antônio Britto, jornalista, ex-governador do Rio Grande do Sul e presidente-executivo da Interfarma – Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa; e Milton Abreu Campanário, coordenador do Mestrado e Doutorado em Administração da UNINOVE.

Em 20 de outubro, especialistas discutiram como tornar a Justiça do país mais ágil, com presença de representantes do Conselho Nacional de Justiça, Tribunal de Justiça de São Paulo, Defensoria Pública de São Paulo, Ordem dos Advogados do Brasil e do Centro Brasileiro de Estudos e Pesquisas Jurídicas. Antes disso, o Debates Uninove trouxe uma discussão sobre a nova conjuntura política do país, após as eleições de 03 de outubro, com os jornalistas Fernando Barros Silva (Folha de S. Paulo), Renato Rovai (Revista Fórum) e Alberto Carlos Almeida, autor de A Cabeça do Eleitor e A Cabeça do Brasileiro.

Em 29 de setembro, cientistas e religiosos estiveram reunidos em um debate sobre os limites da ciência nas pesquisas com células-tronco. Estiveram presentes Mayana Zatz, coordenadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Células-Tronco em Doenças Genéticas Humanas; Claudio Cohen, presidente da Comissão de Bioética do Hospital das Clínicas de São Paulo; Padre Vando Valentin, do Centro de Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; e Lenise Garcia, professora de Bioética da Universidade de Brasília.

Os candidatos ao Senado por São Paulo também compareceram ao Debates Uninove para discutir suas propostas para educação no país. Participaram Aloysio Nunes (PSDB), posteriormente eleito com a maioria dos votos no estado, Ricardo Young (PV), Alexandre Serpa (PSB), Ciro Moura (PTC), Dr. Redó (PP), Ana Luiza (PSTU) e Ernesto Pichler (PCB).

O ministro dos Esportes, Orlando Silva, também participou do Debates Uninove, em uma sabatina de estudantes, que enviaram mais de 400 perguntas, e jornalistas. A preparação do país para a realização dos dois principais eventos esportivos internacionais dominou o encontro, que foi citado em onze reportagens da grande mídia.

No primeiro encontro da iniciativa Debates Uninove, Pedro Rubez Jehá, secretário do Estado do Emprego e Relações do Trabalho/SP; André Urani pesquisador do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade; Antônio Carlos de Matos administrador de empresas; Waldir Quadros, pesquisador da Unicamp; e Alfio Lagnado, empresário e surfista discutiram o futuro do trabalho, os desafios e as oportunidades que quem inicia uma carreira.

O projeto Debates Uninove marca o retorno do jornalista Paulo Markun à organização e mediação de debates, função que exerceu por dez anos, primeiro como apresentador e depois acumulando o cargo de diretor do programa Roda Viva, da TV Cultura.

Para que serve a Comissão da Verdade?

No dia 15 de março de 1985, com a posse de José Sarney, a ditadura militar chegou ao fim. Passados mais de 25 anos, muitos dos fatos ocorridos no período encontram-se desconhecidos do público, protegidos pelo sigilo e pela anistia ampla, geral e irrestrita. Para alguns, deve-se buscar conhecer a história completa da ditadura, inclusive em seus detalhes mais cruentos. Para outros, o esquecimento serve à pacificação que pavimentou o caminho para a democracia brasileira, e não valeria à pena mexer em antigas feridas já cicatrizadas.

O Debates Uninove discute qual a função da Comissão da Verdade, cujo projeto de lei está parado na Câmara dos Deputados. O evento trará representantes de posições diversas em relação ao órgão e será mediado pelo jornalista Paulo Markun.

Participarão do debate:

– Ivo Herzog – Presidente do Instituto Vladimir Herzog;

– José Gregori – Jurista e ex-ministro da Justiça do governo FHC;

– Martim Sampaio – Presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB;

– Dr. Roberto Delmanto Jr.; Advogado criminalista;

– General Luiz Eduardo Rocha Paiva; professor emérito e ex-comandante da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Mediação:

Paulo Markun

Evento: Debates Uninove
Data: 17 de novembro de 2010 – quarta-feira
Horário: 10h
Local: Campus Vergueiro – Rua Vergueiro 235/249

Transmissão ao vivo pelo link: http://jornaldedebates.uol.com.br/aovivo/para-que-serve-comissao-verdade

Debates Uninove

Com o debate sobre a Comissão da Verdade, o JD realiza seu oitavo evento em parceria com a UNINOVE. Até o final do ano, serão dez debates sobre temas de grande repercussão nacional.


No dia 25 de outubro, foi realizado um debate sobre pesquisa e inovação, contando com a participação de Silvio Meira, professor titular da Universidade Federal de Pernambuco e cientista-chefe do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (C.E.S.A.R.); Sérgio Queiroz, professor da Unicamp e coordenador da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Antônio Britto, jornalista, ex-governador do Rio Grande do Sul e presidente-executivo da Interfarma – Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa; e Milton Abreu Campanário, coordenador do Mestrado e Doutorado em Administração da UNINOVE.

Em 20 de outubro, especialistas discutiram como tornar a Justiça do país mais ágil, com presença de representantes do Conselho Nacional de Justiça, Tribunal de Justiça de São Paulo, Defensoria Pública de São Paulo, Ordem dos Advogados do Brasil e do Centro Brasileiro de Estudos e Pesquisas Jurídicas. Antes disso, o Debates Uninove trouxe uma discussão sobre a nova conjuntura política do país, após as eleições de 03 de outubro, com os jornalistas Fernando Barros Silva (Folha de S. Paulo), Renato Rovai (Revista Fórum) e Alberto Carlos Almeida, autor de A Cabeça do Eleitor e A Cabeça do Brasileiro.

Em 29 de setembro, cientistas e religiosos estiveram reunidos em um debate sobre os limites da ciência nas pesquisas com células-tronco. Estiveram presentes Mayana Zatz, coordenadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Células-Tronco em Doenças Genéticas Humanas; Claudio Cohen, presidente da Comissão de Bioética do Hospital das Clínicas de São Paulo; Padre Vando Valentin, do Centro de Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; e Lenise Garcia, professora de Bioética da Universidade de Brasília.

Os candidatos ao Senado por São Paulo também compareceram ao Debates Uninove para discutir suas propostas para educação no país. Participaram Aloysio Nunes (PSDB), posteriormente eleito com a maioria dos votos no estado, Ricardo Young (PV), Alexandre Serpa (PSB), Ciro Moura (PTC), Dr. Redó (PP), Ana Luiza (PSTU) e Ernesto Pichler (PCB).

O ministro dos Esportes, Orlando Silva, também participou do Debates Uninove, em uma sabatina de estudantes, que enviaram mais de 400 perguntas, e jornalistas. A preparação do país para a realização dos dois principais eventos esportivos internacionais dominou o encontro, que foi citado em onze reportagens da grande mídia.

No primeiro encontro da iniciativa Debates Uninove, Pedro Rubez Jehá, secretário do Estado do Emprego e Relações do Trabalho/SP; André Urani pesquisador do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade; Antônio Carlos de Matos administrador de empresas; Waldir Quadros, pesquisador da Unicamp; e Alfio Lagnado, empresário e surfista discutiram o futuro do trabalho, os desafios e as oportunidades que quem inicia uma carreira.

O projeto Debates Uninove marca o retorno do jornalista Paulo Markun à organização e mediação de debates, função que exerceu por dez anos, primeiro como apresentador e depois acumulando o cargo de diretor do programa Roda Viva, da TV Cultura.

Agora somos memeLab

14 de novembro de 2010Comente!

Um meme é para a memória o análogo do gene na genética – a sua unidade mínima. É considerado como uma unidade de informação que se multiplica de cérebro em cérebro, ou entre locais onde a informação é armazenada (como livros) e outros locais de armazenamento ou cérebros. No que diz respeito à sua funcionalidade, o meme é considerado uma unidade de evolução cultural que pode de alguma forma autopropagar-se. Os memes podem ser ideias ou partes de ideias, línguas, sons, desenhos, capacidades, valores estéticos e morais, ou qualquer outra coisa que possa ser aprendida facilmente e transmitida enquanto unidade autônoma.O termo foi cunhado em 1976 por Richard Dawkins no seu bestseller O Gene Egoísta.

Leia mais meme na Wikipédia.

A Pixel Multimídia agora se chama memeLab.

Tomamos o título emprestado dos amigos e remixamos o contexto do extinto projeto Metá:Fora Media Lab, focado na realização de intervenções artísticas ou experimentação midiática. Em comum, encontramos o desejo de estimular a experimentação, participar de atividades artísticas colaborativas e provocar intervenções no espaço onde se está atuando. Da mesma maneira, nosso trabalho parte “do prisma da interação homem-máquina, indivíduo-conhecimento, indivíduo-ambiente, indivíduo-indivíduo, sempre procurando explorar diferentes maneiras de contar uma história, seja esta ficcional ou real, individual ou colaborativa”.

Nossas ideias, ações, projetos e realizações passam a ser agrupados como:

memeArt.

Performances de VJing ao vivo. Projeção de imagens em movimento, com recursos de edição em tempo real para ambientação visual em espetáculos, eventos, festas, videocenário, entre outras realizações.

memeLive.

Trabalhos de registro e transmissão audiovisual de eventos em tempo real via web, que viabiliza o acesso não-presencial de público onde quer que ele esteja. Utilizamos técnicas de edição ao vivo e recursos de rede social para otimizar a participação da audiência virtual.

Fazemos o registro audiovisual de eventos como palestras, encontros, espetáculos, performances, etc. com qualidade digital, edição dinâmica e alto padrão de acabamento.

memeWeb.

Operamos no desenvolvimento de sites e criação de soluções web para publicação de conteúdo para empresas, pessoas e projetos. Estruturamos propostas exclusivas para atender aos mais diferentes perfis e demandas.

Prestamos consultoria de tecnologia em todas essas áreas. Oferecemos nosso conhecimento e experiência para encontrar os mecanismos mais adequados para a concepção e implementação tecnologia digital em realizações de natureza técnica, social, artística, educativa, entre outras.

Permanecemos no mesmo endereço, mas estamos expandindo.
Em tempo: nossos emails passam a ser @memelab.com.br. Atualize seu catálogo de endereços 🙂

Show reuniu Gilberto Gil, Macaco Bong e mais!

9 de novembro de 2010Comente!

Com informações do Site do Fórum

No final da década de 60, à frente da Tropicália, Gilberto Gil abraçou a fusão da música brasileira com os ritmos internacionais, e deu consequência popular e midiática às possibilidades antropofágicas vislumbradas pelos modernistas, décadas antes. Exilado em Londres, com Caetano Veloso, viu em primeira mão os desdobramentos da contracultura em sua fase mais densa. De volta ao Brasil, estabeleceu diálogos musicais com questões culturais, comportamentais e políticas, e relativas ao estreitamento de laços entre a arte e a tecnologia.

Sua gestão no Ministério da Cultura foi consequente com essas visões. Agora, fazendo um balanço desses últimos anos, em que a música brasileira tem recuperado muito de seu vigor e daquela verve ao mesmo tempo tão crítica e tão inspirada, Gil encontra a nova geração em Futurível (título de uma canção sua de 1969, que juntava as palavras “futuro possível” e já sinalizava a sua constante tematização da tecnologia).

Gil encontra o power trio instrumental revelação de Cuiabá, Macaco Bong, para reeditar sua época mais roqueira, circa Expresso 2222 (quando era acompanhado por então músicos de rock como Lanny, Tuti Moreno etc – lançando-os em experimentos com o forró, reggae, funk, samba e outros gêneros).

Para explicitar a visão tropicalista de Gil, que imaginava uma convergência ente Beatles e pífanos, o DJ Tudo introduz o show com sua pesquisa da música brasileira profunda, e convida a banda de pife Princesa do Agreste de Caruaru, acompanhado de projeções do DVJ Scan. Gil cria as convergências e diálogos entre essas vozes, sopros, tambores e instrumentos eletrônicos, que mostram como a música nacional é um dos símbolos mais notáveis da potência transformadora do Brasil no mundo.

Macaco Bong é um dos destaques do Circuíto Fora do Eixo, movimento artístico e social surgido de estados como Mato Grosso, Acre, Amapá e outros, em que a novíssima cena independente brasileira troca tecnologias de produção coletivistas e solidárias. O Fora do Eixo impulsiona associações como a Abrafin – Associação Brasileira de Festivais Independentes, que dialoga com outras importantes cenas musicais independentes, como a de Cuiabá.

O trio Macaco Bong baseia-se na desconstrução dos arranjos da música popular em seus formatos convencionais e alia a linguagem das harmonias tradicionais da música brasileira com jazz, fusion e rock-pop. Já circulou os principais festivais de música do Brasil (além de Argentina e Canadá), e teve seu CD Artista Igual Pedreiro eleito o melhor de 2008 pela revista Rolling Stone Brasil, e lançado na Argentina pelo selo Scatter Records.

Seu show de 2010, com convidados como o rabequeiro Siba, o pianista pop-erudito Vitor Araújo, o percussionista Jack (Porcas Borboletas) e os metais dos Móveis Coloniais de Acajú foi um dos três finalistas do Prêmio Bravo!, ao lado de Maria Bethânia a da Orquestra Imperial apresentando Caetano Veloso, Jane Birkin e o maestro de Serge Gainsbourg, Jean-Claude Vannier.

DJ Tudo é o produtor da era digital, pesquisador de expressões culturais tradicionais, instrumentista e coordenador do selo Mundo Melhor, Alfredo Bello. Mixador de elementos da tradição brasileira, do dub, do funk e da eletrônica, Bello percorre o Brasil e o mundo estabelecendo pontos de diálogo cultural entre nosso país, a Europa, a África e a América do Norte. Colaborador de Adrian Sherwood e Mad Professor, gravou seu novo álbum, Nos Quintais do Mundo, em suas viagens pelo interior, pelo exterior e pela mente coletiva, partindo de registros de manifestações como maracatu, afoxé, caboclinho, congado, embolada e baianá para abordagens radicalmente atuais.

Seguindo a trilha de Mario de Andrade, que em 1938 coletou 34 horas de gravações folclóricas in loco no norte e nordeste, de ritmos que 30 anos depois se revelariam ser muito da inspiração para a Tropicália, Alfredo Bello já totaliza quase 1.300 horas (!) de registros, fruto da agilidade propiciada pelos equipamentos digitais. Mário de Andrade aprovaria. Como produtor, tem ajudado a lançar artistas importantes da nova geração, como Junio Barreto, Cérebro Eletrônico e Porcas Borboletas. Com sua ex-esposa, a percussionista Simone Soul, desenvolve outras colaborações, como o Projeto Cru (responsável pelas trilhas de filmes de Beto Brant, como O Amor segundo B. Schanberg).

A Banda de Pife Princesa do Agreste, de Caruaru, é representante de uma das mais importantes tradições musicais do interior do Nordeste. Em cidades pequenas e vilarejos as bandas de pife ainda são importantes para a comunidade, tanto para a realização da música religiosa quanto para a diversão, e assumem valores artísticos fortes – como é o caso da Princesa do Agreste. Biu do Pife, músico experiente no meio musical de Caruaru e da região Nordeste, completou 50 anos de carreira em 2008. Com outros instrumentistas brilhantes como Toinho, José Mauricio, Gerson, Vitorino e Ari, as dinâmicas e as interpretações são repletas de momentos de grande virtuosismo, ao mesmo tempo engraçadíssimas e irresistivelmente dançantes.

DVJ Scan é Giuliano Scandiuzzi, graduado em Arquitetura e Urbanismo pela FAU -USP, cujo projeto de graduação foi uma videoinstalação que o aproximou daquele que seria sua área de atuação. Fundador e ex-integrante do Estúdio Bijari entre 1996 a 2007, inspirando e liderando o grupo na área da videoarte, ajudou o Bijari a tornar-se conhecido na cena nacional e internacional como um dos mais aclamados grupos de artistas visuais brasileiros. Em 2007, passou a criar espetáculos audiovisuais, exposições e instalações multimídia solo. Esteve nos programas Altas Horas com André Abujamra e Jô Soares com o DJ tudo e Sua Gente de Todo Lugar. Também atua como DJ, com forte pesquisa de percussão e experimentação em softwares de produção musical.

O espetáculo Futurível celebra o encerramento do Fórum Internacional Geopolítica da Cultura e da Tecnologia, que se realiza na Cinemateca Brasileira do dia 11 ao dia 13 de Novembro, com curadoria de Gilberto Gil e Laymert Garcia dos Santos. Futurível é simultaneamente a abertura do ll Fórum da Cultura Digital Brasileira, que se realiza na Cinemateca Brasileira de 15 a 17 de Novembro.

O site futurivel.org.br, desenvolvido pela Pixel Multimídia, irá reunir vídeos e fotos da cobertura do show. Levem suas câmeras, depois é só publicar com a tag #futurivel.

Fórum da Cultura Digital Brasileira 2010

9 de novembro de 2010Comente!

Com informações do http://culturadigital.br/forum2010

A 2ª edição do Fórum da Cultura Digital Brasileira, a ser realizada entre os dias 14 e 17 de novembro de 2010, pretende congregar, conforme ocorreu em 2009, as iniciativas de cultura e comunicação existentes no país que estão conectadas pela rede social CulturaDigital.br, lançada em julho de 2009. A memeLab presta consultoria em tecnologia para todo o evento, que além dos debates, terá abertura marcada pelo show Futurível, reunindo Gilberto Gil, Macaco Bong e outros artistas.

Todo trabalho de articulação em rede é estruturado a partir da relação entre ações no plano virtual e dinamizado por encontros presenciais. No ano passado, a primeira edição do Fórum consolidou o espaço do debate sobre Cultura Digital no País, a partir de cinco eixos temáticos de discussão: arte, comunicação, economia, infraestrutura e memória.

Este ano, a proposta é dar visibilidade aos processos emergentes na rede, às diferentes comunidades de práticas e interesses que se organizaram ao longo do ano, levantando questões e propondo formulações para subsidiar políticas públicas de cultura contemporâneas. Também será o momento de celebrar o ciclo criativo da cultura digital, que se aprofundou com a indução feita pelo Ministério da Cultura desde 2003.

A programação colaborativa do Fórum será resultado de um prévio trabalho de mobilização e articulação que garanta a difusão do evento entre as redes existentes e assim possa atrair os principais grupos contemporâneos de cultura que trabalham a rede de forma estrutural, como os Pontos de Cultura, os Pontos de Mídia Livre, o Circuito Fora do Eixo, o Metareciclagem, as redes integradas do ArteMov (mobilidade), as redes de arte digital, os agentes mobilizados pelo Simpósio Internacional de Políticas Públicas para Acervos Digitais, sempre com prioridade para os participantes da Rede CulturaDigital.br, cujo objetivo é constituir-se como uma rede de redes.

Essa rede social, pioneira na articulação de pessoas e organizações com o intuito de promover a elaboração de políticas públicas para a era digital, reúne atualmente mais de 5 mil membros. Em 2010, a rede recebeu Menção Honrosa no mais importante prêmio europeu de arte e tecnologia, o Ars Electronica.

O evento também pretende, como ocorreu no ano passado, abrir espaço para expressões artísticas emergentes do mundo das redes, antecipando tendências e apresentando a diversidade cultural brasileira para o público participante e para a mídia de São Paulo.

Também estão previstas palestras ligadas aos temas principais da agenda da Cultura Digital no país, como o Plano Nacional de Banda Larga, a nova Lei de Direito Autoral e o Marco Civil da Internet, entre outros temas a serem definidos no correr do processo, com a participação dos usuários da rede CulturaDigital.br.

SERVIÇO

Quando: 14 a 17 de novembro de 2010.
Onde: Auditório do Ibirapuera e Cinemateca Brasileira, São Paulo
Quanto: Entrada franca.

Confira a programação!